Anúncio
Coronavírus

Coronavírus: pastor ligado a Bolsonaro promete cura com feijão de R$ 1 mil

Internautas acusam o líder religioso de usar a crença dos fiéis para acumular riquezas em meio à pandemia

07/05/2020 15h17Atualizado há 4 semanas
Por: Redacao

Amigo e um dos mais próximos aliados de Jair Bolsonaro no meio evangélico, o pastor Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial, está vendendo uma semente de feijão branco por, “no mínimo”, R$ 100 em nova campanha, lançada na internet. O produto seria usado para “curar o coronavírus“.

“Você vai plantar uma semente para a obra de Deus. Estamos convocando empresários, comerciantes, fazendeiros, empreendedores, para plantar uma semente generosa, uma semente grande na obra de Deus. Essa semente menorzinha que você vai plantar é de R$ 100 e a maior não tem limite”, diz o religioso em gravação.

Veja vídeo:

Ivone Pita@ivonepita
 

Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, vendendo semente de feijão por 1.000 ou 500 reais, como cura para o coronavírus

ALÔ, MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL!

Vídeo incorporado
5.100 pessoas estão falando sobre isso

 

Segundo o pastor, “quanto mais se planta, mais se colhe”. Ele vende a sementinha grafada com as palavras “Sê tu uma benção”.

 

“Eu queria que você tomasse posse ligando na central, pra adquirir essa semente. Você recebe ela em casa. Você vai tirar da caixinha essa semente, vai plantar, num pouquinho de terra, num adubo orgânico, num esterco, num algodão molhado. E ela vai nascer, e na planta vai estar escrito ‘Sê tu uma benção’”, diz Valdemiro.

Santiago fala em “propósito” de R$ 1 mil para obter uma semente. Mas também aceita “propósito” de R$ 500 ou R$ 100.

 

O líder religioso pontua que, por causa da pandemia do novo coronavírus, só pode receber 30% dos fiéis nas igrejas. Assinala ainda que isso provocou crise na estrutura da igreja.

 

Com Metrópoles

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários